Destaques

Quando eu quero mais. Eu vou pra Goiás

Pensou em descanso, em relaxar, buscar paz interior ou simplesmente quer conhecer um lugar diferente? Dê um pulinho em Goiás. Como parte da canção da dupla sertaneja, Bruno e Marrone que dá o título a esta matéria, o estado é propício para idas rápidas e visitas a lugares incríveis seja com a família ou com amigos para ter sempre mais. A rota entre Brasília e Goiás, tem aproximadamente 314 km, o que pode ser percorrido em cerca de quatro horas.

Uma típica cidade do interior muito acolhedora cercada de muitas histórias. O turismo na antiga capital é movimentado pelas construções históricas. Há mais de dez anos, “Goiás Velho”, como o munícipio ainda costuma ser chamado carinhosamente por visitantes e alguns moradores, tornou-se Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade, título conferido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

A história conta que antes da colonização do Brasil o estado de Goiás era povoado por índios tupis guaranis, e somente um século após a descoberta do Brasil os colonizadores portugueses chegaram à região. Por mais de 200 anos foi a capital do estado de Goiás, a mudança foi feita para Goiânia na década de 1930. Goiás foi o segundo produtor de ouro do Brasil. Em 1727, o bandeirante Bartolomeu Bueno da Silva, descobriu minas de ouro e fundou o arraial Sant’Anna. Cresceu às margens do Rio Vermelho onde as índias Goiás se enfeitavam com muito ouro. Chamou-se também Vila Boa de Goiás e anos depois passou a ser simplesmente a cidade de Goiás, tendo como marca registrada o perfil religioso com capelas e igrejas construídas no estilo colonial.
Goiás é envolvido pelos morros verdes e pelas montanhas de Serra Dourada. Cenário arquitetônico do século XVII, bonito por sua riquíssima arte distribuída em museus e igrejas seculares. O lugar nos permite viajar no tempo do Brasil colonial já que se tornou um centro turístico.

Festas o ano todo

Crédito: Alexandre Carvazan/Reprodução

Crédito: Alexandre Carvazan/Reprodução

As ruas foram construídas por escravos com pedras desalinhadas evidenciando as características coloniais.“Caminhar pelas pedras de Goiás é um passeio e tanto”, diverte-se o advogado Drayan Bouhid. Ele mora em Goiânia e é apaixonado pelo lugar. Goiás possui atrações e eventos interessantes durante todo o ano. “Quem gosta de agito não pode perder o Carnaval, onde as ruas de pedra da antiga capital recebem foliões de todo o Brasil. Eu ressalto particularmente o sábado d da Folia de Momo onde, no Largo do Rosário, acontece o tradicional Carnaval de Marchinhas”, destaca Drayan.

Casa de poetisa

Crédito: Reprodução

Crédito: Reprodução

Durante as datas festivas a cidade recebe muitos visitantes, mas há quem prefira a cidade em épocas mais tranquilas. A guia de turismo Janaina Matsumoto ficou encantada pela beleza e riqueza cultural do lugar, pois teve tempo de explorar a região. “Particularmente, como a minha intenção foi realmente conhecer a cidade, achei melhor ir fora de temporada, assim deu pra conhecer melhor”, comenta. A cidade tem muitos atrativos, como o Palácio do Conde dos Arcos, as Igrejas, os museus, mas o que mais agradou Janaina foi à casa da poetisa Cora Coralina. “Um lugar lindo que me remeteu à infância, já que minha família é do Goiás, lá pude ver vários objetos pessoais, além de conhecer a história fascinante dessa mulher”, acrescenta.

Dica básica!

Na cidade de Goiás, o turista encontra diversas opções de hospedagem que vão de hotéis mais requintados a pousadas simples com características rústicas. O preço da diária varia de R$ 50 até R$ 200 por pessoa. Podendo oferecer alimentação. Artesanato e doces típicos cristalizados é uma boa dica de lembrança da cidade para presentear.

Vale a pena conferir

Crédito: Reprodução

Crédito: Reprodução

Palácio Conde dos Arcos – Antiga sede do governo estadual preserva a arquitetura original. Tem acervo com obras do século XVIII, utensílios domésticos, pertences, peças decorativas e mobiliário de antigos governantes. Aberto de terça a sábado das 8h às 17h e aos domingos das 8h às 15h.
Museu das Bandeiras – Construídos por escravos no século XVII pode-se encontrar instrumentos usados no garimpo, peças de porcelanas, a cruz da Anhanguera original, a funerária dos índios, além de peças mobiliárias e utensílios dos séculos XVII e XIX. É um dos edifícios mais importantes da Cidade de Goiás. Fica situado na Praça Dr. Brasil Ramos Caiado (Praça do Chafariz) no Setor Central da Cidade de Goiás. Aberto de terça a sexta das 9h às 17h, sábados de 12h às 17h e no domingos de 9h às 13h.

Religião e Cultura

Procissão do FogareuProcissão do Fogaréu – Na Semana Santa é imperdível a Procissão do Fogaréu, uma tradição secular que acontece sempre a meia-noite da quarta-feira Santa, onde os farricosos (homens encapuzados com roupas coloridas) simbolizam os soldados romanos na busca de Jesus Cristo, segurando tochas acesas na cidade que tem toda a iluminação pública desligada no percurso da procissão. Uma das manifestações religiosas mais admiradas.
Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA) – Acontece no mês de junho de cada ano, com produções cinematográficas nacionais e internacionais de temática ambiental e sempre com shows artísticos musicais de artistas de renome.

Fotos: Divulgação e Reprodução